Conecte-se conosco

Entretenimento

Vestido de festa: comprar ou locar?

Este é um dilema vivido por quase toda mulher na hora de escolher o que vestir para ocasiões importantes. A dúvida surge principalmente, pelo preço entre o aluguel de um traje e a aquisição de uma roupa nova.

Publicado

em

Logo após aceitar um convite para um casamento, uma solenidade de formatura ou qualquer outro evento solene vem a pergunta: comprar ou alugar o vestido da festa? Se servir de consolo, este é um dilema vivido por quase toda mulher na hora de escolher o que vestir para ocasiões importantes. A dúvida surge principalmente, pelo preço entre o aluguel de um traje e a aquisição de uma roupa nova.

A professora e designer de moda Nélia Finotti, residente em Goiânia (GO), sugere que é preciso fazer sempre uma pesquisa prévia e levar em conta a necessidade para a ocasião, como por exemplo, que tipo de festa para a qual você foi convidada, se é temática ou não. Se no evento social você terá um posição de destaque, como no caso de um convite para madrinha de casamento, em que muitas vezes há a exigência de um traje específico. Nélia explica também que é preciso levar em conta o modelo e a cor da peça, se o vestido poderá ser usado de outras formas e em outras ocasiões e, claro, avaliar a relação custo/benefício entre a compra ou a locação.

De acordo com a professora de moda, comprar, na maioria das vezes, é a escolha mais assertiva devido à reutilização que a peça escolhida pode ter e o custo/benefício da aquisição, já que segundo Nélia, a diferença de valores entre a locação e a compra de um vestido pode ser superior 100%. E muitas das vezes, o valor do aluguel de uma roupa de festa pode sair mais caro do que a compra de uma peça nova. A vantagem de se comprar um vestido de festa é que você pode usá-lo várias vezes e em eventos diferentes. Eles ainda podem ser customizados, transformando totalmente a modelagem. Outro benefício é o fato de ser uma peça adequada ao corpo e ao gosto da pessoa, combinando melhor com o estilo de quem busca uma peça única, justifica Nélia.

Conforme Nélia Finotti, o motivo que faz com que, muitas das vezes, um vestido alugado fique até mais caro do que a compra de um novo, é o fato de que lojas de locação, na maioria das vezes, trabalham com vestidos, que além de exclusivos e de marcas famosas, são mais elaborados e confeccionados com tecidos especiais e adereços, muitas vezes, importados.

De acordo com a professora e design de moda, lojas menores que confeccionam suas próprias peças também trazem vestidos exclusivos e oferecem um preço mais em conta. Com criações também autorais e um baixo custo de produção, pois não trabalham com marcas e itens internacionais, muitas destas pequenas lojas de vestidos der festa apresentam ao consumidor peças lindíssimas e versáteis, que podem muito bem ser usadas em qualquer grande ocasião, destacou Finotti.

DICAS – Para quem optar pela compra de um vestido de festa, Nélia Finotti dá boas dicas para que a aquisição seja ainda mais acertada e o vestido possa ser usado mais vezes. A primeira dica é optar sempre por modelagens e cores neutras, como preto e vermelho, e que não tenham tanto bordado e brilho. Isso vai garantir a reutilização da peça por mais vezes.

Vestido de festa; Comprar ou locar?

Outra coisa a ser levada em consideração na hora de montar o look para ir à uma festa mais solene é a utilização de acessórios e a produção de maquiagem e cabelo. Muitas vezes, ao se repetir um vestido de festa – usando alguns acessórios (brinco, colar, bolsa, entre outros) diferentes, ou mesmo um penteado e uma maquiagem, com um sapato diferente – pode fazer toda a diferença. Além disso, a designer de moda traz mais uma solução para a roupa de festa comprada. Esse tipo de roupa pode, muitas vezes, ser customizado. Um vestido longo pode ser cortado e se transformar num vestido menor (midi), por exemplo.

Um valor de locação mais caro do que a compra de um vestido novo foi o que fez com que a autônoma Fabiana Almeida Queiroz, 20 anos, optasse pela compra, e não o aluguel, do traje que precisava. Segundo ela, “locar um traje está saindo muito mais caro do que comprar e, além do mais, a indicaram várias lojas no Estação da Moda Shopping (região da Rua 44, no centro de Goiânia/GO), onde encontrei um modelo, que além de poder ser usado em um casamento, poderei usá-lo também em outros eventos como formaturas e aniversário de 15 anos”, comentou Fabiana Queiroz, que comprou um vestido azul marinho com corpete de guipir e uma saia no crepe de seda por apenas R$ 200, enquanto a locação, segundo ela pesquisou, sairia por R$ 350, ou seja, R$ 150 mais caro.

GRANDE PROCURA – De acordo com a gerente Taynara Karla, da loja Márcia Azevedo, marca que está há 8 anos no mercado da moda festa, a busca pela aquisição de roupas para festas está aumentando nos últimos anos. “As pessoas estão voltando à cultura ainda de comprar roupas de festa”, afirmou.

Atuando há mais de de duas décadas no segmento de moda para festas, a estilista Sandra Brito é dona da loja Branco e Preto. Ela disse que a busca pela aquisição de vestidos de festa tem sido cada vez mais crescente, não só pelo valor, mas também impulsionada pela qualidade e a exclusividade. “As consumidoras estão mais exigentes e prezam pela qualidade do produto e sem repetição de modelo de vestido. Elas não arriscam obter roupas, mesmo que por um curto período, sem o conhecimento da procedência e que ainda podem gerar algum desconforto devido à forma como são ajustadas”, argumentou Sandra, lembrando que é comum os vestidos alugados terem sobras de tecidos embutidos que causam um peso desnecessário e incômodo na roupa, prejudicando a modelagem no corpo e até causando problemas na locomoção da pessoa que o estiver usando.

Com informações da Agência Comunicação Sem Fronteiras.

Jornalista, radialista, apresentador de TV e WebTV, cerimonialista em eventos, também artista e "youtuber" no Estado de Goiás; com quase 30 anos de experiência profissional em Jornalismo (desde 21/11/1991), Terry Marcos Dourado é o idealizador, diretor-proprietário, diretor de conteúdo, editor-geral e jornalista responsável pelo Portal Rede Pop e suas Divisões de Conteúdos Específicos: Jornal Gazeta Popular, PopTV, PopMix RádioWeb, Estelar Filmes, Agência PopStar Artistas, Modelos e Produções e o Canal Hiper T, no Youtube.

Continue lendo
--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários:

LEIA COM ATENÇÃO

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias (PORTAL REDE POP NOTÍCIAS E ENTRETENIMENTO) reserva para si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência.

Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links.

Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós. Postagens criminosas, que firam a legislação brasileira serão repassados às autoridades policiais competentes para rastreamentos e as medidas legais cabíveis aos criminosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Babado forte: “Já fui cantado por outros jogadores, acontece no futebol” declara ex-jogador

A metrossexualidade não deve ser considerada um tabu. Os homens devem sempre se cuidar da melhor forma que podem. E isso nada tem a ver com desejo ou orientação sexual. Não tem a ver com a homossexualidade.

Publicado

em

Da Redação Central, em Jataí (GO) – Que o meio esportivo tem uma energia forte de homoerotismo e que há muitos desejos reprimidos, disso ninguém duvida. É um ambiente cheio de contrastes e contradições. Pessoas do mesmo sexo se abraçam, trocam carinhos, mas tudo feito com um rigoroso “sistema de controle de qualidade”, com vigilância extrema para “não dar pinta” ou “não passar do ponto” e ser flagrado “dando close”. Mas que no meio esportivo há muitos que curtem uma relação bi ou homossexual, isso é fato, sem qualquer sombra de dúvida.

O estudante de medicina Lucas Arantes, 33 anos, que deixou os campos do futebol e as passarelas para uma carreira totalmente diferente do que já tentou, revelou já ter sido assediado por outros jogadores enquanto fazia parte do time Uberaba Sport Clube. Lucas foi fisgado por agências de modelo enquanto ainda jogava no clube, e logo após tentou ser Mister Brasil 2013. Sempre destacado pela beleza e corpo bem cuidado durante os jogos, ele contou que as cantadas nem sempre chegavam de mulheres.

O modelo e ex-jogador de futebol, Lucas Arantes, confirma que já foi muito assediado por jogadores no ambiente esportivo.

“Ainda existe esse tabu de não se revelarem, há um preconceito interno, todos lembram do Richarlyson, foi um caso emblemático. Mesmo assim já presenciei cantadas de outros jogadores”, declara. O estudante de medicina se considera metrossexual e não nega os cuidados regrados com o corpo com ninguém. “A metrossexualidade não deve ser considerada um tabu, nós homens devemos nos cuidar também, isso não deve ser taxado como homossexualidade”.

Com informações de Tawany Santos/CO Assessoria.

Mas, o que é ser um metrossexual?

A metrossexualidade (ou metrossexual) é um termo originado nos finais dos anos 1990, pela junção das palavras metropolitano e sexual, sendo uma gíria para um homem urbano excessivamente preocupado com a aparência, gastando grande parte do seu tempo e dinheiro em cosméticos, acessórios, roupas e tem suas condutas pautadas pela moda e as “tendências” de cada estação. Nada tem a ver com desejo, orientação ou experiências sexuais.

Com beleza singular tanto de rosto quanto de corpo, o modelo e ex-jogador de futebol, Lucas Arantes, confirma que já foi muito assediado por jogadores no ambiente esportivo.

O termo “metrossexual” foi usado pela primeira vez em 1994 pelo jornalista britânico Mark Simpson e foi aproveitado pelas revistas masculinas britânicas e norte-americanas para fazerem desta definição o seu público-alvo. Depois da sua utilização ter decrescido nos Estados Unidos, o termo foi reintroduzido em 2000, mas somente em 2002 é que o termo “metrossexual” se popularizou.

Tudo começou com um novo artigo de Mark Simpson, onde afirma que um exemplo conhecido de alguém que se encaixa no perfil do metrossexual é David Beckham, ex-atleta de futebol e constantemente associado a diminuição dos tabus relativos à lacuna existente entre a homossexualidade e a cultura gay, que gosta de passar o dia nas compras, cuidar das unhas, ir ao cabeleireiro, fazer depilação completa ou cuidar excessivamente do corpo. Após a publicação de tal artigo, a empresa Euro RCSG Worldwide adotou a palavra numa pesquisa de mercado e o jornal americano The New York Times deu uma grande destaque à metrossexualidade, difundindo amplamente o termo.

O ex-jogador de futebol, David Beckham é uma das primeiras referências de metrossexualidade.

MARCAS – Os metrossexuais são conhecidos por não viverem sem a sua marca predileta de hidratante para a pele, apreciarem um bom vinho, sonharem com o último modelo de carro desportivo, preocupação com a calvície e gostarem de comprar roupas de marca famosas, além de não abrirem mão do perfume de griffe que os colocam sempre em evidência. Essas pessoas vaidosas, geralmente na faixa etária superior aos 35 anos, costumam estar bem colocados profissionalmente.]

O jogador português, Cristiano Ronaldo, é outra referência de metrossexualidade.

TENDÊNCIA – Mais do que uma moda passageira, a presença deste homem metrossexual está bem viva nos Estados Unidos e na Europa, e ainda timidamente aqui no Brasil, tendo o mercado de acessórios masculinos e femininos crescido exponencialmente. Marcas como Dolce & Gabbana, Ferr De Laria, Giorgio Armani, Prada, Chanel, Victoria Secret ou Versace têm colocado cada vez mais artigos à disposição dos seus clientes metrossexuais. Por outro lado, a marca de sapatos de design italiano Tod’s tem-se dedicado a modelos feitos à mão para este nicho de mercado. A dominância entre os metrossexuais é a roupa de grife excessivamente justa que destaca os glúteos e a utilização de pulseiras delicadas.

O aparecimento recente deste termo está ligado à alteração de comportamento de parte de integrantes do sexo masculino no final do século 20. Tal como as mulheres, este segmento começou a folhear as revistas masculinas para saberem o que está ou não na moda e adaptarem ao seu estilo sem gênero claramente definido. Deixaram de cortar o cabelo no barbeiro e passaram a frequentar com mais assiduidade os institutos de beleza e spas femininos. Têm cuidados com a sua pele e sentem-se menos embaraçados para entrarem numa perfumaria e adquirirem cosméticos para si. Para se ter uma ideia da evolução deste comportamento masculino, nos anos 1970, apenas alguns homossexuais masculinos se preocupavam com tais questões.

CORPO – O termo “metrossexual” também se aplica a pessoas excessivamente preocupadas com o corpo e aparência física, os “viciados” em academia de musculação, fazendo com que a obsessão pelo próprio corpo transgrida os desejos sexuais e fortaleça a atração por pessoas de mesma aparência, e na maioria dos casos, do mesmo sexo.

É cada vez mais comum o homem atual ter uma preocupação, quase obsessiva, com o próprio corpo.

O metrossexual de academia se preocupa com horários que come, quantidade de proteína ingerida, e hora do início do processo catabólico. Suas refeições são padronizadas e todas selecionadas para evitar perda de massa muscular para manter a definição mais próximo ao perfeito. Estudos apontam que pessoas que têm assiduidade em suas academias passando maior parte do tempo admirando formas físicas “perfeitas” e tentando chegar ao mesmo padrão, admirando-se em frente a espelhos.

Tais pessoas são consideradas “metrossexuais ativo-passivos”. Possuem uma grande oscilação de humor, alta irritabilidade e comportamento explosivo em virtude de sua dúvida sobre a própria orientação sexual. Estes fatos não se aplicam somente a frequentadores assíduos e fiéis de academia, mas também, se aplica a todos que estão sempre buscando de qualquer maneira estar com o corpo o máximo possível próximo à perfeição, e gastam tempo excessivo dedicando-se à própria imagem.

Nos tempos atuais, a vaidade é cada vez mais um comportamento também masculino.

Continue lendo

Cultura LGBT+

Destaque entre artistas LGBT+, cantor Luky LK faz sucesso com parceria internacional

Publicado

em

Da Redação Central em Jataí, GO – Com um trabalho voltado a música pop, funk e reggaeton, o cantor Luky Lk, lançou no final do primeiro semestre deste ano o seu oitavo single e o terceiro vídeoclipe oficial de “Um Milhão”, o novo grande sucesso do artista. No mais recente vídeoclipe, o cantor carioca interpreta personagens contrastantes, ou seja, um cafajeste e um romântico. A música “Um Milhão” foi composta e produzida pelo venezuelano Labarca e pelos brasileiros Júnior Neves e Jefferson Bhrunno.

Com milhares de seguidores em suas redes sociais, Luky Lk supera limites no palco. Aos 24 anos, o cantor perdeu parte da sua audição devido à uma meningite. Em 2019 Luky Kk foi a atração principal do tradicional e glamuroso baile do Scala Gay, no Rio de Janeiro (RJ) e tem feito diversos shows por todo o país. O artista é carinhosamente chamado pelos seus seguidores de “príncipe”. Ele traz um perfil engajado em causas do Movimento LGBT+ e outras causas sociais.

Luky Lk também é empresário artístico que gerencia alguns artistas do meio LGBT+ (sigla usada para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e outros grupos seguindo critérios de  orientação sexual e identidades de gênero). Luky Lk gravou seu primeiro feat internacional na música “Solo Besame”, do cantor espanhol John Andrade, que o descobriu através das plataformas digitais e o convidou para um feat. E o artista carioca também estará interpretando uma canção no ritmo zouk com o cantor angolano T-Michael.

Assista, a seguir, ao vídeoclipe “Um Milhão”, do artista Luky Lk.

Siga Luky Lk n as redes sociais Facebook e também no Instagram.

A seguir, assista ao vídeoclipe da música “Solo Besame” de John Andrade feat Luly Lk.

Continue lendo

Entretenimento

COLUNA BAFÔNIKA – 09/09/2019

Publicado

em

Contato direto com a Coluna Bafônika pelo WhatsApp (64) 99600-8865 ou pelo e-mail jornalismo@portalredepop.com. Coluna semanal de notas gerais com foco na diversidade e no universo LGBT+ publicada nos finais de semana.

 

100 MIL PESSOAS!

Segundo organizadores, a 24ª Parada LGBT+ de Goiânia, em 2019, teve a participação de 100 mil pessoas nas ruas do centro da capital goiana. Na imagem panorâmica, os manifestantes percorrem a Av. Tocantins.

Segundo organizadores, a 24ª Parada do Orgulho LGBT+ de Goiânia, evento realizado no domingo 8 de setembro, teve um público de 100 mil pessoas. Durante a tarde, os participantes, puxados por um grande trio elétrico, percorreram as principais ruas centrais da capital de Goiás homenageando personalidades e instituições que apoiadoras do segmento de LGBT+ (sigla usada atualmente para a representação e identidade política de pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, queers, intersexo, entre outros grupos segundo critérios de orientação sexual e identidade de gênero).

A 24ª Parada LGBT+ de Goiânia lembrou e homenageou os 50 anos do ato social e político mundialmente conhecido como “A Revolta de Stonewall”, um antigo bar de Nova Iorque, nos Estados Unidos, onde houve homofobia explícita da polícia contra um grupo de homossexuais que não se intimidaram. O ato espontaneamente ocorrido deu origem ao Movimento LGBT+ mundial e, pouco tempo depois, à primeira Pride/Parada do Orgulho LGBT+ da história.

 

A FALA DO PIONEIRO…

Pastor Onaldo Pereira, decano do Movimento LGBT+ em Goiás.

O fundador da primeira Parada do Orgulho LGBT+ de Goiânia (e também de Goiás), o pastor Onaldo Pereira (foto) cumprimentou a equipe organizadora da 24ª Parada LGBT+ da capital de Goiás, realizada no domingo 8 de setembro, com um público estimado em 100 mil pessoas. Onaldo Pereira se referiu ao evento como “magnífica Parada de Goiânia”.

“Sinto-me soberbamente orgulhoso ao ver as fotos da multidão de participantes, vibrando nas ruas da Capital com a mensagem de igualdade radical e do direito que cada um/a tem de expressar nela a sua singularidade. Estou muito orgulhoso! Agora, é transformar essa força em organização e votos, elegendo representantes (LGBT+).
Beijos para cada uma e cada um de vocês”, assim manifestou o pastor e decano do Movimento LGBT+ goiano.

 

MÃES PELA DIVERSIDADE

Bloco das Mães Pela Diversidade, um dos destaques da 24ª Parada LGBT+ de Goiânia.

Um dos grandes destaques da 24ª Parada LGBT+ de Goiânia (GO) em 2019 foi, sem dúvida, o desfile das Mães Pela Diversidade. Em determinado momento da Pride/Parada, as mães promoveram um emocionado abraço coletivo em filhos homossexuais, emocionando principalmente aqueles que foram expulsos de suas casas e da convivência com seus familiares, pela própria família, pelo simples motivo de serem LGBT+.

“Tire o seu preconceito do caminho. Nós vamos passar com o nosso amor”. Esta frase estampou uma grande faixa carregada por um grupo de mães de LGBT+ na Parada de Goiânia. Assista, a seguir, ao vídeo publicado pela Artrong no Facebook.

 

É ‘FAKE’, E DOS MAIS BAIXOS!

No começo de setembro, um frame de HQ (história em quadrinhos) mostrou uma cena de um simples beijo entre dois personagens masculinos. Foi o suficiente para políticos ultraconservadores ligado a movimentos religiosos, sobretudo evangélicos, fazerem uma balbúrdia nacional e até a cometer atos de extrema censura.

As ‘fake news’ (notícias e informações falsas, mentirosas) explicita e insistentemente propagadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), também pelo governador de São Paulo, João Doria, e pelo prefeito do Rio de Jeneiro, o bispo Marcelo Crivela, da Igreja Universal do Reino de Deus, sobre ideologia do gênero são cada vez mais comprovadamente absurdas, imorais, representando uma jogada política do mais baixo nível.

Na verdade, a expressão “ideologia de gênero” NÃO é reconhecida na academia (meio universitário) e, mesmo assim, é insistentemente usada com má-fé por grupos (ultra)conservadores contrários às discussões sobre diversidade e identidade (e não “ideologia”) de gênero. Na educação, a Base Nacional Comum Curricular prevê que, no 8º ano escolar, o aluno consiga “selecionar argumentos que evidenciem as múltiplas dimensões da sexualidade humana (biológica, sociocultural, afetiva e ética)”.

É urgente e necessário que a ciência e as evidências científicas prevaleçam na educação brasileira. Também é necessário existir mais materiais explicativos, em linguagem simples, explicando os verdadeiros conceitos de sexo biológico, identidade de gênero e orientação sexual, além de trazer orientações sobre gravidez e doenças sexualmente transmissíveis. E tudo isso de maneira o mais natural e respeitosa possível, sem todo aquele “mimimi” fomentado por fanáticos, ignorantes e extremistas religiosos.

__________________________________________

Por enquanto são estes os nossos destaques. E já estamos trabalhando na próxima edição que você lê no próximo final de semana. Até lá.

Continue lendo

É proibida a reprodução, total ou parcial, ou mesmo fragmentada de qualquer conteúdo publicado aqui no PORTAL REDE POP, em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a autorização por escrito do diretor-proprietário do PORTAL REDE POP, jornalista Terry Marcos Dourado.

Os infratores estão sujeitos às penalidades legais estabelecidas pela legislação brasileira em vigor. Para solicitações ou dúvidas, favor entrar em contato pelo e-mail: contato@portalredepop.com.

Diretor-Proprietário, Diretor Geral de Conteúdo e Jornalista Responsável: TERRY MARCOS DOURADO – RP n. 2.098 – MTE-DRT/GO.

PORTAL REDE POP é um portal de notícias/jornalismo e entretenimento, multiconteúdo transmídia e crossmedia, o primeiro nestas características do interior do Estado de Goiás, produzido e realizado pela Agência Prodartcom Jornalismo, Eventos e ProduçõesCNPJ nº 30.245.426/0001-76; Insc. Estadual nº: 52.8.0401793-2 e Insc. Municipal nº: 3.03.4194-01. Escritório regional sediado em Jataí, Estado de Goiás – Brasil.

Todo conteúdo produzido e publicado pelo PORTAL REDE POP é de inteira responsabilidade da Agência Prodartcom Jornalismo, Eventos e Produções e suas Divisões de Conteúdos Específicos: Pop TV; Estelar Filmes; Jornal Gazeta Popular; PopMix RádioWeb; Agência PopStar Artistas, Modelos e Produções e Canal Hiper T (Youtube). Todos os direitos reservados.

WhatsApp

Contatos Diretos

Estes são os meios para contato direto com o Portal Rede Pop.

WHATSAPP:(64) 9 8459-3531

TELEGRAM:(64) 9 8459-3531

JORNALISMO GERAL:

jornalismo@portalredepop.com

Envie sugestões de pautas, convites para eventos, textos, fotos, áudios, vídeos sobre quaisquer assuntos de qualquer área do Jornalismo. Quando for o caso, garantimos sigilo às nossas fontes.

ENTRETENIMENTO GERAL:

contato@portalredepop.com

Envie sugestões de pautas, convites para eventos, textos, fotos, áudios, vídeos sobre conteúdos da área de entretenimento (notas, convites para eventos culturais, shows, etc.)

ASSUNTOS COMERCIAIS:

comercial@portalredepop.com

Anúncios, publicidades, informes publicitários, etc.

EVENTOS E PROMOÇÕES:

eventos@portalredepop.com

E-mail específico para pedido de informações e inscrições em eventos e promoções diversas do Portal Rede Pop.

POP TV (conteúdo audiovisual):

poptv@portalredepop.com

E-mail exclusivo para dúvidas, sugestões e solicitações referentes aos vídeos e programas produzidos e exibidos pela POP TV, a WebTV do Portal Rede Pop.

Teremos imenso prazer em receber seu contato.

Rádio PopMix AO VIVO

Jornal da Pop AO VIVO

Facebook

Mais Lidas